Argentina atinge inflação anual de 102,5% em fevereiro, a mais alta em 31 anos  - Bolsão em Destaque de Três Lagoas
Mundo

Argentina atinge inflação anual de 102,5% em fevereiro, a mais alta em 31 anos 

Antes, a maior taxa anual, de 102,4%, tinha sido registrada em outubro de 1991; variação mensal do índice de preços foi de 6,6%

O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Argentina referente ao mês de fevereiro registrou variação de 6,6% em relação ao mês anterior, conforme divulgou o Indec (Instituto Nacional de Estadística y Censos) nesta terça-feira (14). Em 12 meses, o índice, que corresponde à inflação oficial do país, teve variação de 102,5%, acima da taxa anual mais alta registrada até então, em outubro de 1991, quando foi de 102,4%.

Este é o 13º mês seguido em que a inflação oficial anual da Argentina tem alta. Nos dois primeiros meses do ano, o índice acumula uma variação de 13,1%.

Em janeiro, a variação mensal foi de 6% em relação a dezembro, e a de 12 meses chegou a 98,8%.

A maior alta de fevereiro em todas as regiões foi registrada na divisão de Alimentos e bebidas não alcóolicas, de 9,8% em relação ao mês anterior, devida principalmente ao aumento dos preços das Carnes e derivados e de Leite, laticínios e ovos.

O segundo setor com a maior variação no mês foi Comunicação (7,8%), afetado pela alta dos serviços de telefone e internet, seguido por Restaurantes e hotéis (7,5%), puxado pelo aumento em Restaurantes e refeições fora de casa.

No período, também tiveram destaque: na divisão de Saúde (5,3%), o aumento de taxas pré-pagas; em Bebidas alcoólicas e tabaco (5,2%), a elevação nos preços dos cigarros; no grupo Transportes (4,9%), a alta nos combustíveis; e, em algumas regiões, em Habitação, água, eletricidade e outros combustíveis (4,8%), o maior custo de serviços de eletricidade e água.

“A Argentina sofre aumento de preços de dois dígitos, com taxas mensais de 6% a 8%, projetando ao ano mais de 100%, fruto de uma política econômica de gastos governamentais desordenados, excesso da carga tributária, baixa competitividade de sua economia, falta de moeda estrangeira forte, que permita importar e criar um mercado mais competitivo, proporcionando baixas nos preços”, afirma professor Aldo Brunhara, doutor em economia e diretor da IBS Américas, escola internacional de negócios do Brasil.

Segundo Brunhara, as classes baixa e média são as que mais sofrem, porque, com a inflação, os salários e rendas são corroídos em torno de 30% de defasagem. “Existe fata de credibilidade, com manipulação das taxas de inflação e com uma economia com mais de sete tipos de câmbios diferentes.  Por exemplo, 1.000 pesos, a maior nota de dinheiro da Argentina, vale menos de US$ 3”, acrescenta o professor.

Botão Voltar ao topo