Atirador desiste de vingar morte do filho em Três Lagoas, após vítima pedir pelo sangue de Jesus - Bolsão em Destaque de Três Lagoas
Polícia

Atirador desiste de vingar morte do filho em Três Lagoas, após vítima pedir pelo sangue de Jesus

Ao tentar vingar a morte do filho, assassinado a facadas em outubro do ano passado, José Soares Gonçalves, de 55 anos, chegou a encostar um revólver no peito de um pedreiro de 50 anos, no entanto, desistiu de atirar depois a vítima clamar pelo sangue de Jesus repetidas vezes. O caso, registrado como tentativa de homicídio e disparo de arma de fogo, aconteceu na noite de ontem (7), em Três Lagoas.

O pedreiro contou à polícia que estava em casa com a família, quando o suspeito chamou, bateu palmas e insistiu para que ele fosse até o portão. Ao se aproximar, a vítima foi surpreendida por José, que tirou uma arma da cintura e passou a fazer ameaças. “Agora, você vai morrer. Você estava junto, você ajudou a bater no meu filho”, disse.

Com o revólver calibre 38 encostado no peito, o pedreiro começou a orar e, consecutivamente, chamou pelo sangue de Jesus. Com a reação inesperada, José abaixou a arma e abriu fogo contra a casa da família. Pelo menos sete tiros foram dados na direção do imóvel.

Depois do episódio, o atirador fugiu do local e equipe da Polícia Militar foi acionada. Os militares fizeram rondas para encontrá-lo e prenderam o suspeito na casa onde morava com a esposa. Ele ainda tinha marcas de pólvora nas mãos, que comprovavam o crime cometido momentos antes. José foi preso em flagrante e a arma usada por ele não foi achada.

Vingança – Investigações iniciais apontam que vingança foi a motivação da tentativa de homicídio. Na noite do dia 8 de outubro de 2021, Joseildo Soares da Silva, de 27 anos, filho de José, foi morto a facadas por um desconhecido que o abordou na frente na calçada da casa onde morava. O jovem foi morto na frente da esposa.

Dias depois, Rodrigo de Almeida Neves, de 32 anos, foi baleado com cinco tiros e, ao ser preso, confessou ter matado Joseilton

Com informações do Campo Grande News

Botão Voltar ao topo