Mais de 400 casos de violência contra crianças foram registrados em menos de 2 meses em Mato Grosso do Sul - Bolsão em Destaque de Três Lagoas
Polícia

Mais de 400 casos de violência contra crianças foram registrados em menos de 2 meses em Mato Grosso do Sul

Nos primeiros 52 dias de 2023 a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul registrou 416 casos de violência contra crianças e adolescentes no Estado.

Entre 1º de janeiro e 21 de fevereiro de 2023, são oito casos por dia, sendo a maioria por estupro, seguido de violência doméstica, tentativa de homicídio, homicídio doloso e morte por intervenção de agente do estado.

De acordo com estatísticas da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), 159 crianças foram estupradas em MS, sendo 46 na Capital. Em relação aos adolescentes o número de casos cai quase pela metade, sendo 75 ao todo, 18 em Campo Grande.

Segundo crime mais cometido contra menores de idade, a violência doméstica vitimou 129 adolescentes e 43 crianças. Enquanto isso foram registradas cinco vítimas de tentativa de homicídio, sendo três adolescentes e duas crianças.

Já o homicídio doloso, quando uma pessoa mata outra intencionalmente, resultou na morte de duas crianças e dois adolescentes em MS. Ainda foi registrada a morte de um adolescente por intervenção de agente do estado.

Casos marcantes

Entre todas as ocorrências registradas, algumas chamaram mais atenção da população e causaram verdadeira comoção, chegando até a mobilizar artistas brasileiros, como foi o “Caso Sophia”.

Com apenas 2 anos e 7 meses de idade, Sophia Ocampo morreu dia 27 de janeiro após ser estuprada e espancada pela própria mãe e pelo padrasto. O pai de Sophia já havia registrado boletins de ocorrência contra a ex-esposa e tentado a guarda de Sophia, mas nada foi feito.

Depois de ganhar repercussão na imprensa nacional e nas redes sociais do ator global Carmo Dalla Vecchia, várias celebridades se comoveram e a campanha #justiçaporsophia foi lançada na internet.

Pai de Sophia e esposo durante discussão na Câmara Municipal de Campo Grande (Foto: Arquivo/Henrique Arakaki)

O assassinato de Sophia também levantou discussões sobre a criação da “Casa da Criança”, um local no mesmo molde da “Casa da Mulher Brasileira”, com atendimento especializado 24 horas por dia.

Após a divulgação da morte de Sophia, outros casos muito fortes foram denunciados à polícia, como o bebê de 1 anos e 27 dias que foi deixado sozinho em casa, caiu do sofá e quebrou a clavícula no dia 14 de fevereiro.

No hospital os médicos descobriram vários hematomas pelo corpo do pequeno. A mãe dele e o padrasto foram presos em flagrante por abandono de incapaz e a polícia investiga a suspeita de maus-tratos.

Outro caso que comoveu a população foi da menina de 2 anos, torturada e estuprada pelo padrasto. A criança foi levada ao posto de saúde pela mãe e os médicos descobriram sinais de estupro e vários machucados no corpo dela. O homem segue foragido.

Fonte Midiamax

Botão Voltar ao topo