Nuzman é condenado a 30 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, evasão de divisas e lavagem de dinheiro - Bolsão em Destaque de Três Lagoas
DestaqueJustiça

Nuzman é condenado a 30 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, evasão de divisas e lavagem de dinheiro

Acusações são referentes à compra de votos para a eleição do Rio como sede das Olimpíadas

Ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman foi condenado, nesta quinta-feira (25), pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, a 30 anos, 11 meses e oito dias de prisão, além de pagamento de 1.344 dias-multa, ao valor unitário de um salário mínimo, pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Além de Nuzman, foram condenados o ex-governador Sérgio Cabral e o ex-diretor de operações do Comitê Rio-2016 Leonardo Gryner. As acusações são referentes à compra de votos dos integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a eleição do Rio como sede das Olimpíadas em 2016.

Sérgio Cabral foi condenado a dez anos e oito meses de prisão por corrupção passiva, enquanto Leonardo Gryner a 13 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e organização criminosa.

O ex-presidente do COB foi alvo da operação Unfair Play e poderá recorrer em liberdade. A defesa alega que o julgamento ocorreu sem provas concretas e acredita em uma reviravolta no caso.

Presidente do COB por 22 anos, Nuzman foi preso em casa, no Leblon, em 2017, após uma denúncia do Ministério Público Federal, que ligava o nome do mandatário à suposta fraude na eleição do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016 e ao empresário Arthur Soares, mais conhecido como “Rei Arthur”

O MPF contou com a cooperação jurídica internacional de Antígua e Barbuda, Estados Unidos, Reino Unido e França. O Ministério Público Francês, inclusive, conseguiu provas de que houve compra de votos na escolha da sede das Olimpíadas de 2016.

*AE

Botão Voltar ao topo