Polícia Civil deflagra 1ª fase da operação “Mão de Ferro”, de 2023 em Três Lagoas - Bolsão em Destaque de Três Lagoas
Polícia

Polícia Civil deflagra 1ª fase da operação “Mão de Ferro”, de 2023 em Três Lagoas

Em ações de efetivo combate à comercialização irregular de fios metálicos, equipamentos hidráulicos denominados hidrômetros e outros materiais recicláveis, equipes da Polícia Civil, em Três Lagoas-MS, deflagraram ontem, 19/01, na parte da tarde, a primeira fase da operação “Mão de Ferro”, de 2023. O objetivo é reprimir crimes de furto e receptação desse tipo de material, bem como a fiscalização de regularidade do funcionamento dos estabelecimentos comerciais visitados e orientação aos proprietários sobre as consequências do descumprimento dos dispositivos legais.

As ações ocorreram em diversos bairros da cidade, sendo fiscalizados 14 estabelecimentos. Foram abordados e checados mais de 30 indivíduos em atitude suspeita, em locais costumeiramente frequentados por usuários de drogas e indivíduos conhecidos dos meios policiais pela prática de furtos e roubos.

A operação foi coordenada pela Delegacia Regional de Polícia de Três Lagoas-MS, com a participação de 26 policiais civis de todas as delegacias do município, sendo empenhadas oito viaturas. A ação contou ainda com o apoio da Prefeitura da cidade, que disponibilizou diversos agentes da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Secretaria do Meio Ambiente, para fiscalizar a regularidade do funcionamento dos estabelecimentos e o respeito à legislação ambiental.

Num dos pontos fiscalizados, no Jardim Guanabara, foram localizadas barras de ferro de fixação de torres de transmissão de energia elétrica. Tal material foi objeto de furto ocorrido em meados do ano passado, às margens da rodovia BR-262. O material, avaliado em R$ 2 mil, foi apreendido e será restituído à empresa-vítima.

Já a responsável pelo estabelecimento onde os objetos foram encontrados foi conduzida à sede da Seção de Investigações Gerais (SIG), da 1ª Delegacia de Três Lagoas, e formalmente indiciada pelo crime de receptação, e pelo delito de exercício irregular de atividade, pois o local estava funcionado sem o devido registro junto à Prefeitura Municipal. Ainda durante a ação, foram flagrados outros dois estabelecimentos funcionando de maneira clandestina, sem os devidos registros exigidos.

De acordo com a Polícia Civil, operações dessa natureza serão rotineiras durante todo o ano. A Polícia Civil também alerta aos proprietários de estabelecimentos que comercializam materiais recicláveis que a aquisição, não só de fios metálicos e hidrômetros, como qualquer outro material sem origem lícita comprovada e em conformidade com as normas legais, podem caracterizar o crime de receptação, desde a forma culposa até a forma qualificada, com penas que variam de um a oito anos de prisão.

Fonte PCMS

Botão Voltar ao topo